Discos que eu ouvi: METZ – II

Para quem gosta de ouvir Nirvana e Mudhoney, não podem deixar de conhecer a banda METZ. Banda canadense formada pelo vocalista Alex Edkins, o baixista Chris Slorach e o baterista Hayden Menzies, trio que faz muito barulho em estúdio ou ao vivo. Fazendo parte da gravadora Sub Pop desde 2011, eles já lançaram dois discos pelo selo: METZ (2012) e METZ II lançado agora em maio. Escrito e gravado durante a extensa turnê do grupo feita entre 2013 e 2014, o segundo registro em estúdio que, segundo a gravadora, “É a mais pura expressão do que eles vêm fazendo nos últimos anos”. E “Acetate” começa com um riff forte e pesado logo de cara, mostrando que eles não estão para brincadeira no quesito fazer barulho, ela é mais pesada do que 99% das músicas executadas nas rádios.

O começo de “The Swimmer” é um tanto assustador para quem não está acostumado com tanto barulho, mas logo vem a distorção e a sensação de estar em um show do Bad Brains no início de carreira é imensa. É punk e distorção em sua mais pura essência, enquanto “Spit You Out” é cheia de improvisos da melhor qualidade como há muito eu não ouvia. A curta “Zzyzx”, basicamente um guitarra distorcida ao fundo, acaba servindo de introdução para IOU”, essa um punk violento, cheio de energia, vocal gritado e veloz – e que música maravilhosa. Não bastasse a paulada anterior, “Landfill” chega para fazer ainda mais barulho nos ouvidos, porque é mais pesada e agressiva, e o mesmo se aplica em “Nervous System”, um punk puro do início ao fim.

Se nesse álbum existe alguma música que tem alguma chance, mesmo que minúscula ao quadrado, de tocar em alguma rádio é “Wait in Line”. O refrão um tanto grudento e o ritmo ajudam a fixá-la na cabeça rapidamente, mas tenho quase certeza que o pessoal achará pesada em demasia. Mas, calma, tudo volta ao normal na ótima “Eyes Peeled”, e eles encerram em “Kicking a Can of Worms”, quase um progressivo psicodélico repleto de guitarras altas e distorções. Esse disco merece elogios, pois é espetacular e fantástico. METZ II é trabalho que chama atenção de quem gosta de guitarras altas, muito improviso e momentos em que a banda parece ter se juntado para uma jam ou algo do tipo. É para ouvir com o volume alto e pulando junto.

Faixas do álbum:

1 – “Acetate”
2 – “The Swimmer”
3 – “Spit You Out”
4 – “Zzyzx”
5 – “IOU”
6 – “Landfill”
7 – “Nervous System”
8 – “Wait in Line”
9 – “Eyes Peeled”
10 – “Kicking a Can of Worms”

Anúncios

Nirvana – Nevermind

producible_bee5d1ee-8a55-4356-bb22-9b300904f3b1

Nevermind é o segundo álbum de estúdio da banda grunge norte-americana Nirvana. Foi lançado em 24 de setembro de 1991. Apesar das baixas expectativas da gravadora a respeito das vendas do álbum, o disco tornou-se um dos álbuns mais vendidos de todos os tempos com 30 milhões de cópias vendidas mundialmente. Críticos aclamaram Nevermind, destacando a mistura do grunge e do rock alternativo, citando que, com Nevermind, o “Nirvana mudou a história do rock mundial”.

E não só mudou a história do rock mundial, como a minha história, pois é impossível tentar representar hoje em dia o sentimento que este álbum me trouxe em 1991. Um garoto com 13 anos de idade começando a conhecer sobre rock e logo de cara deparar com o riff marcante de “Smells Like Teen Spirit” tocando em todas as rádios e massivamente na MTV, que ainda era recém nascida no Brasil e pegava só no sinal UHF, tendo que desconectar a antena de TV do VHF e plugar no UHF (MTV Brasil estreou em 20 de outubro de 1990). As aulas de educação física se tornaram mais interessantes, pois queríamos tentar recriar o clima do clipe de “Smells Like Teen Spirit”, inclusive com as cheerleaders é claro.

A primeira faixa do lado B “Territorial Pissings” é a mais rápida e pesada do álbum e logo de cara percebi que tinha um sentimento mais forte por músicas pesadas ( o que me fez descobrir bandas de metal e consequentemente virar fã de Sepultura). Tanto que para a minha sorte, a banda Soulfly que é do Max Cavalera (ex Sepultura) tocou algumas vezes essa música ao vivo e ficou mais perfeita do que já era. Um tremendo petardo disparado com muita agressividade ao encontro de seus tímpanos, que se não treinados podem até sangrar (brincadeira, pode ouvir a vontade rs).

Quatro singles foram lançados de Nevermind além da já citada “Smells Like Teen Spirit”, que tornou-se a canção de maior sucesso do Nirvana e segundo a revista Rolling Stone ela ficou entre as 500 melhores canções de todos os tempos. Os outros singles lançados foram “Come As You Are”, “Lithium” e “In Bloom”, que também foram bem sucedidos comercialmente. O grande sucesso do álbum abriu as portas para outras bandas de Seattle e não é por acaso que alguns dos mais famosos álbuns dos anos 90 tiveram origem em Seattle, como Ten e Vs do Pearl Jam, Facelift e Dirt do Alice In Chains e  Badmotorfinger e Superunknown do Soundgarden.

Por mais que alguém não goste, é inegável que Kurt Cobain (vocais/guitarra), Krist Novoselic (baixo) e Dave Grohl (bateria e atual Foo Fighters) mudaram o rumo do rock com “Nevermind”. Cobain com o seu cheiro de Teen Spirit (marca de desodorizante muito usada no EUA) continua me trazendo frescos e agradáveis odores de rock and roll que despontou em minha vida lá em meados de 1991 e certamente este desodorante em mim não tem data de vencimento. 

Faixas:

01 – Smells Like Teen Spirit
02 – In Bloom
03 – Come As You Are
04 – Breed
05 – Lithium
06 – Polly
07 – Territorial Pissings
08 – Drain You
09 – Lounge Act
10 – Stay Away
11 – On A Plain
12 – Something In The Way
13 – Endless, Nameless