Pantera – Cowboys From Hell

pantera-cowboys-from-hell-lp-20024-MLB20183325861_102014-F

O álbum Cowboys from Hell é o quinto álbum de estúdio da banda de thrash metal Pantera e hoje está completando 25 anos, foi lançado em 24 de Julho de 1990. É o primeiro sucesso comercial da banda considerado por muitos como o “verdadeiro” primeiro álbum do grupo, pois marca uma nova fase onde eles deixam o glam de lado e começam a exibir traços de thrash, definindo as bases do que viria a se chamar groove metal que se concretizou no álbum seguinte. Cowboys From Hell’ é um clássico como poucos. Existem álbuns em que facilmente distinguimos as músicas mais fracas ou piores, mas neste álbum em particular, dizer que uma faixa ou outra é fraca é difícil, pois todas são excelentes formando esta ‘obra prima’ e certamente todo mundo que gosta de metal já bateu cabeça ouvindo este álbum.
Desde o começo, com a fenomenal ‘Cowboys From Hell’ onde ficamos delirados com a sonoridade da guitarra de Dimebag e o ritmo de Vinnie Paul na bateria, os excelentes vocais de Anselmo ou então o espetacular uso do baixo por parte de Rex Brown. Música clássica, bem como a seguinte ‘Primal Concrete Sledge’ que é simplesmente brutal. ‘Psycho Holiday’ vai seguindo a excelência com riff’s de guitarra que nos fazem chorar. Em seguida vem ‘Heresy’ e a guitarra de Dime, faz o que muitas vezes duas ou trés não conseguem fazer. Agressiva, rápida, vocais poderosos de Anselmo, fantástica. Segue-se Cemetery Gates que é uma das melhores baladas de metal de todos os tempos. ‘Domination’ mostra o que o Thrash Metal de fato é. Técnica, vocais fortíssimos, excelente solo de guitarra e um grande trabalho de bateria. Já ‘Shattered’ é puro Speed/Thrash Metal do inicio ao fim. ‘Clash with Reality’ é outro clássico. Uma faixa mais Groove, com um excelente trabalho de bateria, após clássico atrás de clássico, surge agora a obra prima ‘Medicine Man’. Grande ritmo, ora mais lento ora mais rápido mas sempre com um grande peso e agressividade. ‘Message in Blood’ tem um inicio matador e segue os seus 5 minutos de duração com grande qualidade, sendo também uma das melhores do álbum. ‘The Sleep’ começa calmamente, mas torna-se numa faixa cheia de peso e o álbum se encerra com ‘The Art of Shredding’ que é do outro mundo.
Este foi o álbum que fez surgir um novo Pantera e que mostrou o novo e acertado, caminho pelo qual a banda deveria seguir. Tanto que a banda considera “Cowboys From Hell” como seu álbum de estreia e renega totalmente os lançamentos e a fase anterior, tornando seus quatro primeiros álbuns itens de colecionadores.

Anúncios

À La Carte: Teenage Time Killers – Hung Out To Dry

Teenage Time Killers é um supergrupo daqueles, idealizado por membros do Corrosion Of Conformity, o grupo lança seu disco de estreia e conta com participações de nomes como Dave Grohl (Foo Fighters), Jello Biafra (ex Dead Kennedys), Matt Skiba (Alkaline Trio), Randy Blythe (Lamb Of God), Corey Taylor (Slipknot, Stone Sour), Brian Baker (Bad Religion), e mais. É tanta estrela que o primeiro disco do grupo foi batizado de “Greatest Hits”, e o “Vol. 1″ indica que mais material vem por aí. O álbum foi gravado no estúdio 606, de Dave Grohl.

Sepultura – Chaos A.D

sepultura_-_chaos_a.d._-_booklet_(8-8)

Chaos A.D é o quinto álbum de estúdio da banda Sepultura, lançado em 1993. A banda brasileira de metal surgiu em 1984, criada pelos irmãos Max Cavalera e Igor Cavalera em Belo Horizonte- MG. O álbum vendeu mais de um milhão de cópias, sendo considerado um dos melhores da banda. A revista Rolling Stone publicou a lista dos 100 maiores discos da música brasileira, na qual Chaos A.D ocupou a 46ª posição.

A primeira vez que eu ouvi “Orgasmatron” passando no Clip Trip na  TV Gazeta, apresentado pelo Beto Rivera, eu tive um orgasmo (sem trocadinho). Não sabia que se tratava de um cover do Motorhead, mas aquela música tinha entrado em minha mente de tal maneira que eu precisava saber tudo sobre a tal banda. Quem era o Sepultura?

No início da década de 90 não tinha internet, pesquisar não era nada fácil e como no ginásio era necessário fazer muitos trabalhos e assim frequentar bibliotecas, uni o útil e o agradável e consegui buscar informações através de jornais e revistas antigas que estavam disponíveis para consulta e para a minha sorte, encontrei uma revista Show Bizz lançada na época do Rock In Rio 1991 que continha informações sobre todas as bandas participantes do evento incluindo a grande atração nacional: Sepultura.

Deste dia em diante comecei a ser um grande fã da banda e a minha paixão pelo metal aumentou, comecei a comprar todos os discos, shows em fita VHS (Under Siege e  Donington Park). Comecei a colecionar palhetas, adesivos e diversas camisetas da banda e a primeira camiseta que tive foi uma da Vision Street Wear com o S tribal estampado no meio da bandeira do Brasil. Um clássico que ainda tenho guardado com carinho em meu guarda roupas.

Ainda estando no período pré Chaos AD, todas as revistas de rock da época no qual tinha entrevista com a banda, era relatado que este álbum seria diferente do seu antecessor Arise (que tanto amo, afinal tem  “Orgasmatron”). Passei meses colecionando tudo que se podia da banda até o grande dia do lançamento e recordo que com o álbum veio o lançamento do single “Territory” juntamente com o clipe que foi mostrado pela primeira vez na televisão através do programa Fantástico da rede Globo e acabei comprando o álbum nas duas versões existentes na época: vinil e fita cassete.

The Chaos A.D World Tour começou em outubro de 1993, passou aqui em São Paulo no final do ano em um show histórico no Aramaçan em Santo André. Tinha quinze anos, camiseta da banda, calça preta, coturno, cabelo quase na cintura e com a barba já tomando espaços no meu rosto, ajudando a compor meu visual metaleiro e assim fui para o primeiro show da minha vida assistir a banda que mais gostava. O show foi incrível, a abertura ficou por conta da banda P.U.S (Porrada Ultra Suicida) que contava na época com a guitarrista Syang que ficou famosa depois, mas não por seus dotes musicais e sim outros dotes que mostrou em revistas masculinas.

Fora a banda de abertura, outra atração inesquecível para mim foi a presença do apresentador Vitão Bonesso do programa Backstage da rádio Kiss Fm, apresentando as bandas antes de subir ao palco. Esta foi a minha iniciação de verdade no mundo do metal, onde pude me vestir, estar ao lado de milhares de headbangers batendo a cabeça e voltar para a casa em êxtase. Feliz também ficou a minha mãe, quando viu que eu voltei para casa depois do tão atormentador show de rock (para ela) estando completamente sóbrio e sem fraturas.

Faixas:

  1. “Refuse/Resist” – 3:19
  2. “Territory” – 4:47
  3. “Slave New World” – 2:54
  4. “Amen” – 4:27
  5. “Kaiowas” – 3:43
  6. “Propaganda” – 3:32
  7. “Biotech Is Godzilla” – 1:52
  8. “Nomad” – 4:58
  9. “We Who Are Not As Others” – 3:42
  10. “Manifest” – 4:46
  11. “The Hunt” (cover do New Model Army) – 3:59
  12. “Clenched Fist” – 4:57
  13. “Polícia” (cover dos Titãs) – 1:48 *

* Está disponível apenas na versão brasileira.